Aluguel de ações (Doador) X Short Squeeze

Aluguel de ações (Doador)

Imagine que você vai viajar para um intercambio no Japão por 2 anos, para cursar um MBA na sua área. Você é dono de uma casa maravilhosa em Moema, um bairro popular paulista com uma alta demanda de alugueis de casa. Você aproveita sua viagem, para alugar sua casa e deixar alguém morando e cuidando dela em troca de uma remuneração mensal. Você também não quer se preocupar em cobrar essa pessoa ou vistoriar a casa, sendo assim, você contrata uma corretora de imóveis, para administrar e arrumar um locatário para ela.

Após essa breve história, acredito que já conseguimos explicar tudo sobre o aluguel de ações usando um exemplo bem comum do nosso cotidiano, porém com outras personagens e situação.

Agora vamos supor que você comprou ELET6, devido a acreditar que essa empresa tende a se valorizar muito no longo prazo. Uma das melhores formas de rentabilizar, sem risco de perder o ativo objeto é alugando esse ativo para outra pessoa, que vai entrar vendendo essa posição, pois ele tem uma opinião que no curto prazo essa ação vai cair, e por isso quer entrar vendida nessa posição. E para fazer esse casamento, existe a modalmais, que vai ser quem vai fazer toda a parte operacional e financeira, desde o empréstimo do seu papel até o debito da conta do tomador e o credito na conta do doador.

E ainda vou mais além, vocês já ouviram falar da teoria dos jogos do ganhador do prêmio Nobel Steve Nash?  Nessa teoria é abordado sobre vários tipos de estratégias de indivíduos ou grupos que se defrontam para disputar certas coisas, como no caso citado acima, um lado acredita muito na valorização do papel e outro na queda do papel, em uma situação normal de compra e venda do papel, um lado ganharia e outro perderia, o que chamaríamos de jogo de soma zero, um lado vence e o outro perde, mas no aluguel de ações, podemos chegar no “Equilíbrio de Nash” ou um jogo de “Ganha-Ganha”, onde ambos os lados vencem.   

Imaginem agora o seguinte cenário, você alugou suas ações de ELET6 para alguém ao preço de R$30,00 reais no dia 25/01/2021, o papel chegou a R$26,00 reais no dia 15/02/2021 e quem tinha alugado esses papeis de você, teve um lucro de R$4,00 reais por ativos e pagou uma taxa de 1% no período que o papel estava alugado para você. Imagine que sucessivamente você ficou alugando seu papel e que no dia que você decidiu vender o papel, 2 anos depois, o acumulado de aluguel que você recebeu em todo o período foi de 15% e que a venda de ELET6 foi a R$40,00 reais, ou seja, você ganhou R$10,00 reais na venda do ativo, da primeira data de aluguel mais os 15% acumulados no período de aluguel, você e o tomador do primeiro exemplo, fizeram uma operação de “Ganha-Ganha”    

O aluguel de ações é uma operação que visa rentabilizar um papel que você não tem interesse de vender, sendo uma forma de muitas vezes, de diminuir cada vez mais o seu preço médio no papel, além de contar com toda segurança e facilidade de ter uma corretora fazendo o meio de campo dessa operação.

Para maiores informações sobre o operacional de aluguel de ações para o doador, clique aqui!       

        

Short Squeeze

O Short Squeeze é um movimento no mercado quando uma ação sobe exponencialmente, forçando que os operadores que acreditavam na baixa do papel, a comprar os papeis para evitar perdas ainda maiores. Esse movimento de recompra, acaba impulsionando ainda mais a alta do preço do ativo, como no caso mais recente que ocorreu no Mercado Americano com a Empresa Game Stop.

Quando um aluguel é tomado, ele tem um prazo para encerrar, além do que, a B3 exige margens de garantia. Dado a esses pontos importantes do aluguel, um aumento do preço da ação irá trazer as seguintes consequências:

  • A B3 calcula a margem do aluguel de acordo com o valor da ação no mercado, e quanto maior o preço do ativo, maior será a margem. Isso prejudica os investidores que estão vendidos, que caso não tenha valores para cobrir a margem mais alta, terá que encerrar sua posição antes do desejado. 
  • Com o vencimento do aluguel, caso o doador não queira renovar e não tenha também novas ações para alugar no mercado, o tomador é obrigado a recomprar as ações para devolver ao doador. Em momentos de short squeeze ele pagará valores acima do que esperava. 

Como sabemos, o short squeeze é uma demanda artificial, ou seja, por não ter fundamentos, logo o papel volta ao seu patamar normal. A B3 e a CVM, como orgãos reguladores do mercado não aceitam esse tipo de manipulação artificial do preço das ações. 

Lembramos que o aluguel de ações é uma operação regular, que tem como principal benefício remunerar a carteira de quem não pretende vender suas ações no curto prazo. 

Esse artigo foi útil?